+ Prosa

Confidência dos arigós

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!

(Carlos Drummond de Andrade – Confidência do Itabirano)

Migração – palavra tão desgastada. Incerta em quase tudo que anuncia: peleja – sobretudo. Nome, sem batizado, de quem se põe em passagem. Procissão das gentes que vão em travessias, de paragens em paragens, à procura de um canto no mundo. Canto outro que não é mais o de origem, que não é mais a terra natal – terra falha que, mesmo armada em escombros, é lugar de aconchego, onde nos damos por gente na vida, arrodeado de pai, mãe, irmãos, avós e outros parentes tantos. Da terra para onde vão, estes que chamamos migrantes, não se sabe que arroio será. Nem se dará fruto a vida nestes campos outros. Todavia, intenta-se seguir sempre, numa tessitura de itinerários, os mais distantes, que percorrem o país de ponto a ponta.

Eu mesmo nasci filho de migrantes. Gente que foi para o norte irredento sem saber que desvelos se dariam numa parte ainda não entranhada da Amazônia brasileira. Nasci nas beiradas da Rodovia Transamazônica, estrada inventada pela Ditadura Militar como a promessa de um país próspero. De próspero não havia nada naquelas bandas, porque não se pode chamar de prosperidade a destruição da floresta, a expulsão dos povos indígenas de suas terras e o modo abrupto como foram enganadas incontáveis famílias de colonos que para lá foram em busca de tempos melhores. No entanto, ali, no improviso do abandono, isolados do restante do país, migrantes do nordeste e do sul do Brasil, fincaram os seus sonhos. Muitos, como eu, são filhos desta travessia, gente morena nascida do barro do começo do mundo. Mas algo ali se deu como fato: todos eram migrantes. Gente que veio de fora – como diziam alguns. Forasteiros, assim nos chamavam os que queriam nos diminuir. Desterrados – como se não fôssemos de terra alguma.

Já crescido, na ânsia de embrenhar-me no mundo, tomei-me por migrante, irmão de outros tantos que partem para qualquer paragem que se assemelhe à terra prometida. Subi até Santarém, oeste do Pará, num barco. De Santarém à Belém, capital do estado, foram três dias num navio. Mais dois dias num ônibus de Belém a São Paulo, numa viagem que atravessou os estados do Maranhão, Tocantins, Goiás e Minas Gerais.  Isto tudo para chegar na Rodoviária do Tietê, o templo mas infecundo da maior cidade da América do Sul, e contemplar um dia frio e chuvoso, de céu cinza. Na cabeça, entre a curiosidade e a decepção, só restava uma pergunta: que diabos fazer aqui?

Porém, foi exatamente aqui, que dei por certo ter vindo de uma terra inexistente, algum lugar que está no imaginário da maioria das pessoas como campo minado, distante de tudo. Que acima de Minas tudo é nordeste. Que a partir daquele instante, quando pisei aqui, não me era mais cabido ser amazônida. Descobri que somos todos nordestinos quando chegamos aqui, mesmo sem sequer conhecermos o sertão e a caatinga. E mais ainda: somos todos baianos, abaianados, mocorongos, arigós e paraíbas quando chegamos aqui. Isto num sentido pejorativo, desdenhoso, infantilizado e humilhante. Representamos a força do atraso, um país rústico, simples, pobre e desprovido da cultura das grandes metrópoles. Mal sabem eles que nada está mais próximo das origens que o arcaico. Descobri que a partir daquele instante, quando pisei aqui, nunca mais poderia abrir a boca sem que me dissessem: Você-não-é-de-São-Paulo. Descobri que a partir daquele instante, quando pisei aqui, sempre me perseguiria o mantra: Por que você veio de tão longe? Por que não ficou lá a comer jambu, beiju, pirarucu? Descobri que aqui nós, “os baianos”, somos a maioria de pretos, moradores de comunidade periféricas. Formamos o grande exército dos serviços gerais, dos ônibus e trens lotados, dos hospitais, igrejas e escolas públicas. E talvez – infelizmente – estejamos também na lista duma maioria que habita as cadeias. Isto tudo a contragosto dos programas televisivos que nos põem a obrigação de uma vitória desenhada e assistida: aquele que venceu na vida. Eles debocham de nossas histórias e nos põem em seus quadros e nos dizem quase que diretamente: voltem para as suas terras.

Assim, na condição dos que incomodam, dos não vitimizados, degredados filhos de Eva, é que raio a raio nós, “os baianos”, compomos auroras e cingimos a cidade com aquilo que em nós é fé e peleja, que em nós é ofício e festa, que em nós se transfigura como canto de andorinha, como canto de arigó. Esta ave de arribação que habita as lagoas do sertão nordestino.

Depois de dez anos em São Paulo, tudo que veio em mim está em mim mais que antes, às vezes como confissão de itabirano, de itaitubense. Mais que antes a consciência donde vim germina em mim e me move. Não como saudosismo ou nostalgia bucólica. Todavia, com a certeza de que não sou daqui. E é exatamente esta certeza que me faz atravessar o Viaduto do Chá com a convicção que fiz desta outra terra a minha morada e ela me interpela, me aponta caminhos no turbilhão de tudo que é e representa.

É desta completude da Amazônia distante (e presente) e da minha cidade, terra outra, com seu concreto a encher os olhos, que atento para o perigo da palavra e tento a composição do poema. Decerto, não seria o mesmo poeta se não tivesse migrado. Decerto, não teria a mesma coragem se não tivesse posto aqui os pés e o resto do corpo, se não enfrentasse a dizimação encantatória que só as terras outras podem oferecer. Com isso, não me vergonho do que sou, da minha fala, do meu rosto, do meu corpo, do meu ser, pois tudo em mim trás os descaminhos de onde vim, de onde estou e para onde vou – mesmo que não saiba. São as travessias que nos movem, nos envolvem e nos enamoram que nos fazem sentir saudades da vida que foi e estar por vir. A vida, esta doida da praça, desmiolada inquieta, é que nos põe a gostar do mundo. Não fosse o amor pela vida, espécie de paixão desmesurada, não poríamos os pés fora de casa, ficaríamos o tempo todo na cama. É a vida que nos atravessa resguardando que vivamos nesta ou noutras terras, como bons arigós que somos.

Rudinei Borges

Um pensamento sobre “Confidência dos arigós

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s