Dramaturgia/Textos de Rudinei Borges

Agruras n.1

1.

O dramaturgo precisa mover o corpo para as trincheiras, precisa tecer itinerários para os extremos. Adentrar o pântano. Mergulhado em suor, deve desvendar rostos sufocados na penumbra.

2.

O material da minha arte é o fracasso. Quando escrevo sobre agonia e solidão não é uma afirmação pessoal. Trata-se do desejo que adentrar o antro humano, de desvendar as agruras.

3.

Hora ou outra tomamos consciência que somos, sobretudo, solitários. Que a solidão é inerente ao ser humano.

4.

O poeta-dramaturgo desvenda raios e memórias. Desvenda rostos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s