Poema

por Rudinei Borges

Tenho saudade ínfima infinita
Não sei de quem
Não sei de que
Agora você dorme

Tenho saudade de um rosto perdido
Numa rua que dá com o Viaduto do Chá
Um rosto ofuscado embassado
Um rosto sem nome
Ninguém

(Vai até aí. Não sei o que escrever)

Noite de 20. 10. 2009

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s