A última gravação de Krapp/Artes cênicas/Ato sem palavra I/Isabel Cavalcanti/Samuel Beckett/Sérgio Britto/Sesc/SP/Teatro

Sérgio Britto em “A última gravação de Krapp” e “Ato sem palavras I” de Beckett

por Guga Melgar

por Guga Melgar

 

Rudinei Borges

Aos 85 anos, o ator Sérgio Britto está em cartaz com a peça “A última gravação de Krapp” e “Atos sem palavras I” no SESC Santana, em São Paulo. As duas peças do dramaturgo irlandês Samuel Beckett foram escritas na segunda metade da década de 50.

“A última gravação” é a peça de Beckett mais lírica, nostálgica e repleta de fatos auto-biográficos, afirma a pesquisadora e diretora desta montagem, Isabel Cavaltanti. “Ato sem palavras I” é a metáfora da impotência humana. Para Britto, Beckett é cada vez mais o grande autor da solidão humana.

Britto aparece numa performance centrada e madura. Destaca-se também a cenografia de Fernando Melo da Costa que em “Ato sem palavras” conseguiu plasmar o tom amarelado da areia do deserto com a cor da pele de Sérgio Britto, num momento em que o personagem tenta sobreviver a uma situação limite.

A peça fica em cartaz até 14 de junho.

Um pensamento sobre “Sérgio Britto em “A última gravação de Krapp” e “Ato sem palavras I” de Beckett

  1. Pingback: - | Dezesseis

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s