Confidência dos arigós

Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoje sou funcionário público. Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói! (Carlos Drummond de Andrade – Confidência do Itabirano) Migração – palavra tão desgastada. Incerta em quase tudo que anuncia: peleja – sobretudo. Nome, sem batizado, de quem se põe em passagem. Procissão das gentes que…

Zona, por Guillaume Apollinaire

Te cansaste afinal desta vida anciã Pastora ó torre Eiffel teu rebanho de pontos bale esta manhã Já viveste demais na Antiguidade dos gregos e romanos Aqui até os automóveis tem um ar de muitos anos Só a religião permaneceu nova a religião Permaneceu simples como os hangares do campo de aviação Antigo na Europa…

Tessitura

a voz que me tece são linhas de anzóis quebrados  algodão amarelado dos lençóis trigo esfarelado dos paióis feito pão nas manhãs milho debulhado por mãos de mulheres – fagulhas do céu no fim do mundo canções de roda e rezas procissões de maio novenas de natal pastores de barro presépio de palha e bambu…

Alzira, Ana e Rosalva

  1. Ana – Minha avó paterna; 2. Alzira – Minha avó materna; 3. Rosalva – Minha mãe.

Poemas de Sylvia Plath

Sylvia Plath nasceu em Boston, EUA, em 1932. Teve uma passagem melancólica por Nova York, tentou o suicídio por mais de uma vez, casou em 1956 com o poeta inglês Ted Hughes, foi com ele para Cambridge, Inglaterra. Teve dois filhos. Descasou em 1962, escreveu seus poemas capitais, publicados postumamente no volume Ariel (1965), sua…

Hiroshima – esboço n.1

o vento feito andorinha-de-bando fará germinar nas terras o loendro: loureiro-rosa: adelfa: cevadilha: a rosa-menina: sempre-sempre: agora-agora: dança: minha bailarina: dança: a dança é um pássaro que voa sobre o céu de hiroshima: a dança é um amálgama de cinza: uma arma de fissão de tipo balístico com 60 kg de urâncio-235: a dança é uma ferrugem líquida que…

Asas do anjo da cidade

Asas do anjo da cidade. Ensaio fotográfico com o poeta Rudinei Borges no centro antigo de São Paulo, 2013. Fotos: Christiane Forcinito.

Hiroshima

Visão da Hiroshima destroçada no dia 6 de agosto de 1945. Pesquisa de imagens para tessitura de novo texto dramatúrgico. 

Dizer adeus

Esta provavelmente é a minha última publicação nesta página, companheira de tantas horas, gaveta aberta onde desvelei esboços de versos, fragmentos, textos e imagens tantas que moveram a minha pesquisa literária e teatral. Recebi muitas visitas. Agora o tempo é de muita escrita. Estou providenciando outro espaço dedicado ao teatro e à literatura. Depois retornarei…

Disparo

de manhã o meu suspiro se depara com as rotas do meu coração e disparo a voz do meu crime Rudinei Borges (30 de maio 2011 – esboço)

Pastores de vento

tenho ficado sozinho com meus pastores de vento deixado rastros de pássaros voado à noite às vezes perdido tempo com espinhos roseiras pedido aos meus fantasmas que me deixem em paz tenho amado uma estátua de vidro com olhos vendados chorado à tarde pela manhã tenho vivido quase sempre como um despatriado caminhando pelas beiradas…

Carta a um amigo

São Paulo, 31 de janeiro 2012. – Meu caro, – Estou em dívida com você. Em especial sobre as questões levantadas em outro e-mail. Saiba que é sempre uma alegria conversar com você. Neste últimos encontros eu estava realmente muito cansado e ao mesmo tempo muito alegre com o projeto teatral que estamos desenvolvendo na…

Crônica de ano novo

Por Rudinei Borges Faz tempo não lembro mais nada. Só o sol azul sobre a parede do escombro misturando-se aos pigmentos de lodo. E uma mulher na janela do sobrado. Toda noite ela diz em alta voz: Meu Deus, Meu Deus, Meu Deus. Depois liga a televisão. Faz tempo não me lembro de Deus. Na…

Cem melhores poemas do século XX

1º A Terra Desolada (The Waste Land), de T.S. Eliot (1888-1965) – Nascido nos EUA, Eliot se sentia culturalmente ligado à Europa, tendo morado em Londres a maior parte da vida. Além de poeta, foi ensaísta e dramaturgo, tendo recebido o Nobel em 1948. No ano de 1922 publicou este poema-marco da literatura do século, em que…

Esteio

foto: jindrich streit

Agruras n.1

1. O dramaturgo precisa mover o corpo para as trincheiras, precisa tecer itinerários para os extremos. Adentrar o pântano. Mergulhado em suor, deve desvendar rostos sufocados na penumbra. 2. O material da minha arte é o fracasso. Quando escrevo sobre agonia e solidão não é uma afirmação pessoal. Trata-se do desejo que adentrar o antro…

Stand-up e escritores

O universo literário nos últimos anos no Brasil resume-se ao Stand-up dos escritores. As feiras, congressos, oficinas e debates literários estão lotados de escritores espetaculosos, falastrões e engraçadinhos. Vendem o bem estar para que os seus livros também vendam. A figura do escritor, neste caso, ficou maior que a sua obra. Aliás, o escritor não…

Lumiar

Anda, vem jantar, Vem comer, vem beber, farrear Até chegar Lumiar E depois deitar no sereno Só pra poder dormir e sonhar Pra passar a noite Caçando sapo, contando caso De como deve ser Lumiar Acordar, Lumiar, sem chorar, Sem falar, sem quer Acordar em lumiar Levantar e fazer café Só pra sair caçar e…

Manifesto Antro-pófago

Só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. ________________ Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismo (sic). De todas as religiões. De todos os tratados de paz. ________________ Tupi, or not tupi that is the question. ________________ Contra todas as catequeses. E contra a mãe dos Gracos. ________________…

Noite de alegria

Noite de alegria. Nem consigo acreditar. Recebi, neste sábado, o prêmio de Melhor Ator no 1° Festival de Cenas Extraordinárias do Brasil (Festex) organizado pelo Teatro Real  de São Caetano do Sul, São Paulo. E ainda tive a alegria de encontrar os atores da Cia. Asfalto de Poesia que receberam o prêmio de Melhor Cena e…

Os dez melhores livros

Os dez melhores livros de todos os tempos, segundo vários autores brasileiros. Milton Hatoum “Grande Sertão: Veredas” – Guimarães Rosa “Claro Enigma” – Carlos Drummond de Andrade “Poemas” – Konstantinos Kaváfis “Coração das Trevas”  – Joseph Conrad “A Educação Sentimental” – Gustave Flaubert “Luz em Agosto” – William Faulkner “Infância” – Graciliano Ramos “Dublinenses” – James…

O livro da embriaguez n.3

O que tenho de mim – cedo ou tarde – É silêncio escancarado no cimento.  Mais nada. Desígnios de autopiedade. Ou nojo. Ou fome. Só uma valsa. Uma ópera. Pianos na sala. Uma cítara. Um trombone. Um violino. Os teus olhos. O teu sexo. E um cigarro. A boca cheia de auspícios. Uma voz silente…

O livro da embriaguez n.2

2. Sou breve, porque sou triste. O que brado com um milhão de verbos Poderia ser dito num suspiro amargo. Eu? Meu riso não basta. Sou a ponte onde os meninos andam de bicicleta; A vidraça dos edifícios; o automóvel prateado; A lâmpada colorida. Eu que não digo “pássaro” não digo “relva”. Não entendo de…

livro da embriaguez n.1

1. Não tente encontrar grandiosidades em mim. Sou apenas um homem misterioso (e leio cartas). . No caminho para o museu levo um livro de auto-ajuda. E corro pasmo [inerte] entre orgasmos e esquinas. Sou louco. Que posso ter com as putas? Que posso sentir pela vida, senão piedade. Assim, cuspo a santidade dos bares….

acobreado

por Felipe Garcia Para a foto do menino – R. Borges, meu irmão de alma – poeta com uma missão. A fo- to agora em- baça – o me- nino ora ri ora para na ribanceira, na bananeira e no arroio bebe água em ca- baça e a- cende lampião com vaga-lume no meio do…

nó(s) é ramo(s) nó:  poema de rudinei borges foto: nudez

quatro poemas de tomas tranströmer

Histórias de marinheiros (1954) Há dias de inverno sem neve em que o mar é parente de zonas montanhosas, encolhido sob plumagem cinza, azul só por um minuto, longas horas com ondas quais pálidos linces, buscando em vão sustento nas pedras de à beira-mar. Em dias como estes saem do mar restos de naufrágios em…

rio

rio onde os peixes sonham com a gente rio: rudinei borges – foto: jock sturges

outros poemas de tomas tranströmer

Acordar é saltar dos sonhos num paraquedas. § Reajo à realidade de modo a ver a existência como um grande mistério. § Sobre a história Radicais e reacionários vivem juntos como num casamento infeliz,                                          …

poemas de tomas tranströmer

§ Os fios elétricos estendidos por onde o frio reina Ao norte de toda música. § O sol branco treina correndo solitário para a montanha azul da morte. § Temos que viver com a relva pequena e o riso dos porões § Agora o sol se deita. sombras se levantam gigantescas. Logo logo tudo é…

fragmentos para um teatro do encontro n.1

O encontro é, sobretudo, a ação de conhecer/reconhecer a história das pessoas, a memória que elas guardam de si mesmas, das outras pessoas, das coisas e dos lugares. foto: edouard boubat

senhora santana

(…) de cima do telhado                                                                                                    …

teatro de agruras

Penso num teatro de agruras, que revisite escombros, extremos, um teatro da memória. Sobretudo, da memória.

mariinha e meninozir

1. Mariinha era cheia-de-manhã. Via no fundo dos meus olhos o fundo do rio. Depois ria: rio é só lágrima. Mariinha-morena. Mariinha-pequena. Os olhos cor de jambo maduro. Jambo pronto para dormir na terra, aos pés da raiz do jambeiro. Mariinha-menina. A saia de algodão cru: flor amarela espalhada por todo o corpo: pela mão nua. Mariinha soprava no…

material para pesquisa

Pesquisa – Memorial da terra: 1. Material Terra em transe – Glauber Rocha. 2. Material Vidas Secas – Graciliano Ramos. 3. Material Sertões – Euclides da Cunha. 4. Material Grande Sertão Veredas – Guimarães Rosa. 5. Material Missão de Pesquisas Folclóricas – Mário de Andrade. 6. Material Terra e os devaneios da vontade – Bachelard….

no pé da jurema

No pé da Jurema tem uma flor.                                                                                                …

estirada 1

tinha olhos de alecrim a boca & o céu da boca uma erva daninha era um pássaro uma gaivota a praia três vezes por dia colhia jacintos & marimbondos de fogo era um vaga-lume & os olhos de estilhaços rasgavam a colmeeira a porta da casa a mãe trancava/a mãe trancava a porta da casa plantava…

santo antônio de lisboa

Meu Santo Antônio de Lisboa                                                                                                    …

outra carta para felipe garcia

São Paulo, 26 de setembro 2011 (meia noite e meia) Saudações Felipe. Meu caro, faz tempo não escrevo cartas. Eu que prometi escrevê-las não as escrevo faz tempo. Também pudera, em tempos de web, tudo conspira para que escrevamos cada vez menos. Os espaços são contados. É preciso dizer muito em palavras poucas. Por vezes,…

alguma nudez: hebert list

Herbert List (07 de outubro de 1903, 04 de abril de 1975) foi um fotógrafo alemão que trabalhou para revistas como Vogue , Harper’s Bazaar e Life .

seminário mundial contra belo monte

Atendendo ao chamado dos povos do Xingu, em especial dos pescadores que, sem ter respostas do governo querem saber o que realmente acontecerá com suas vidas, com a vida da floresta, com a vida do rio se a usina de Belo Monte for construída, diversas organizações, movimentos sociais, fóruns e indivíduos se reuniram para construir…

e-mail de dorila alice

Rudinei, Justamente por não estar procurando nada, encontrei o teu site por acaso – e adorei! Havia muito que queria ler palavras como as tuas e conhecer pensamentos como os teus, mas nada parecia acontecer no mundo das letras, este aparentemente condenado a um marasmo cruel. Bom, nada acontecia até hoje, 22 de setembro de…

o menino morto em sarajevo 3

em quijote esqueci o semblante da virgem maria não lembro o olhar compadecido pálido calado o manto azul os cabelos soltos leves mas quando penso no rosto & nos olhos não vejo nada foi aqui há oitos anos que esqueci o rosto da virgem maria mesmo que mostrem uma imagem uma pintura num escapulário não…

o menino morto em sarajevo 2

& depois precisava dizer jude meu caro numa noite faz uma semana numa noite no centro da cidade fui para um quarto num motel & ouvi uma metralhadora & a voz de d. & milhares de chantagens saí pela rua sem telefone & dinheiro às três horas da manhã à espera de um ônibus &…

o menino morto em sarajevo 1

era preciso uma lâmina venenosa dentro de mim só queria um atalho dizer jude meu caro é para você esta partitura sem conta bancária uma conjunção de naus partidas & almoços em restaurantes fechados café meio morno  na rua silva bueno a gente besta da padaria a gente besta das avenidas molhadas nunca vi tanta gente…

para um demÔnio chamado Felipe Garcia

Meu mestre, vejo você & muitos poemas numa conjugação de assombrações & ternura esculhambada. Tenho medo de poetas como você. Demônios que vagam de dia. Estes são os piores. Dão a cara a tapa. Cortam o pulso. Meu Deus, meu irmão, não posso perdê-lo de vista. Você me anima a continuar com o verso. O…

o espectro do pai

1. Um dia acordaremos cedo. O pai partirá. A mãe ficará diante da mesa com o ferro de passar roupa. O filho diante da porta gritará pelo pai que parte: Pai! Pai! Pai! Gritará três vezes apenas. Um ar frio corroerá as mãos. 2. Saudade é só rebento-ribanceira. Mesmo no silêncio, a voz opaca é…

ANTImanifestação da poesia-fragmento

poesia-fragmento imunda. queremos quartos & quadros & quatros cantos da cama de saturno. neopoesia andrógina metamorfoseada & poeira & estrada & suor. homens caminhando para o litoral. desconhecer/conhecer & ser vários. doidos criadores de personagens. mil heterônimos contraditórios. amantes fiéis do diabo. extraterrestres & orgias & ruas. asfalto da web. somos asfalto quente. a última…

sim sincretismo

Sou asfalto: poroca: assalto: avenida: aço acre: sou carne sustenida: pataxó: xavante: apiacá: saterê-mawé: filho de oxum, rainha das águas doces: sou Rimbaud: Kerouac: Caio Fernando Abreu: Josef K: Policarpo Quaresma: nasci em Macondo: descobri a escrita através do velho maquinista da Companhia Bananeiras. Já fiz reza para o vento, correnteza, igarapé. Deus me perdoe:…

uma mulher em Saksakiyeh

Todas as vidas dentro de mim: Na minha vida – a vida mera das obscuras. Cora Coralina Dentro de mim uma mulher se esconde. Inofensiva dentro mim uma mulher me contempla. Com o olhar cálido do oriente distante uma mulher se revela clara dentro de mim na penumbra do escombro. Dentro de mim ela chora….

galo sobre a Igreja de Santa Ifigênia

casa número 3512 na rua vergueiro casa velha onde queríamos morar avenida nazaré rua padre marchetti museu do ipiranga túmulo de d. pedro rua vergueiro rua conde de irajá rua vergueiro rua domingos de morais colégio madre cabrini avenida lins de vasconcelos estação vila mariana edifício américo assad rua borges lagoa igreja nossa senhora da…

máquina de escrever

olhos destroçam máquinas cansados fecham caminhos & sinas cansados corroem carne & lata & ferro cansados cochilam a invalidez dos sonhos cansados desenham torres & relógios cansados furtam eletrodomésticos cansados não veem Cândido Portinari cansados não leem Maiakovski cansados …………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….. (olhos cansados não leem Maiakovski) máquina de escrever: rudinei borges fotografia: august sander, 1912

lavoura

lã no cós dos teus seios lágrima na voz dos teus braços lâmina na foz dos teus lábios l  a  v  o  u  r  a lavoura: rudinei borges foto: auguste sander

esmeril

esmeril: poema rudinei borges foto: auguste sander

15.

(os edifícios das grandes cidades são como putas das grandes cidades e como coquetéis de ácido e granada e pólvora e ardem nos olhos de crianças que recitam num teatro vazio os últimos versos de Franz Eddie como se clamassem desesperados por suas mães). o livro da embriaguez (fragmento): rudinei borges

O Teatro Morto

Considerações sobre o Teatro Morto, por Peter Brook, publicadas no livro O teatro e seu espaço, de 1968. 1. A situação do Teatro Morto é bastante óbvia. No mundo inteiro o público de teatro está definhando. Existem movimentos novos ocasionais, bons escritores novos e assim por diante, entretanto, como um todo, o teatro não só…

pássaro sem foices

amo o coma indelével dos cântaros pastor invisível olhos & portas de trigo amo o pássaro sem foices que colhe no ventre seco da tarde espigas de pão espinhos pássaro  sem foices: rudinei borges

mulher de branco na venda

o olhar do menino inteiro intento terno fixo rápido seco as mãos agarradas à cintura o corpo magro do menino só osso sem corpo abrindo cicatrizes na terra na parede de madeira o menino é o diabo satã solto no mundo nazareno destroçado imundo a mulher olhos de amora a mãe do menino vivo-morto mulher…

dentro

ser dentro da seiva a terra dentro da terra a margem dentro da margem a voz dentro da voz um barco velho abandonado o cais [dentro: rudinei borges] [foto: auguste sander]

dança

& perder pelo braço & cair pela boca & descer pelo ombro & dormir pelo peito                                                               & fugir pela palma da mão [dança: rudinei…

fio

& depois com um lápis cingir vísceras desenhar paredes jacintos janelas tamboretes panelas pedras altares cingir olhos desenhar pardais mariposas vinis & [fio: rudinei borges] [foto: leo drumond]

ofício

só o corpo é capaz de trazer da terra a flor a fagulha da tarde [ofício: rudinei borges] [foto: leo drumond]

anzol

vem meu pequeno pássaro com olhos de anzol vem que a cidade reina no braço circunspecto da noite fria no mar da porta sem dentes vem às voltas do dia que o interior da casa é a engrenagem dos pântanos que o silêncio dos tártaros é o assoalho mágico onde dorme o solilóquio da carne…

Mato e Asfalto

Pensei em algo como “Poemas do mato e Travessias de asfalto”.

sede

não tenho sede só tarde              só a tarde              que atravessa a goela              e adormece o pâncreas não tenho sede               só fome de ventre              …

Revista Zagaia

Alegria participar ontem, 4 de agosto, da reunião do Coletivo Editorial Zagaia, no Bar B, ali perto da Praça da República. A nova revista é uma espécie de espaço em que a palavra e a imagem brotam para a revolução da vida. O convite do cineasta Thiago Mendonça veio em boa hora. Acessem a Revista…

Clarice

‎”Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada.” [Clarice Lispector]

Visões de Ponta de Areia

Ponta de Areia: lá de onde eu vim. Cheguei aqui de trem. . [Por Milton Nascimento & Fernando Brant] . Ponta de areia ponto final Da Bahia-Minas estrada natural Que ligava Minas ao porto ao mar Caminho de ferro mandaram arrancar Velho maquinista com seu boné Lembra do povo alegre que vinha cortejar Maria fumaça…

O sono das águas

[Guimarães Rosa] . Há uma hora certa, no meio da noite, uma hora morta, em que a água dorme. Todas as águas dormem: no rio, na lagoa, no açude, no brejão, nos olhos d’água, nos grotões fundos. E quem ficar acordado, na barranca, a noite inteira, há de ouvir a cachoeira parar a queda e…

Quando a lua vem da Ásia

Campos de Carvalho no teatro de Chico Diaz Por Rudinei Borges O mundo não tem lógica ou talvez a ordem seja invenção eficaz não-eficaz do ser humano. Mas a denúncia-anúncio do caos não é atitude que qualquer pessoa queira assumir: só o louco e o clown, o palhaço, podem vislumbrar a desordem, a falta de…

E-mail de Vicente Cecim

São Paulo/Belém, 9 de maio 2011 E-mail de Vicente Cecim Rudinei, grato pela transcrição da biografia de Andara, amigo. Quando voltares a Belém, vamos nos encontrar: Tenho muito que apreender. aVe, Vicente. E-mail para Vicente Cecim Vicente, meu caro, Que alegria receber as tuas palavras. Alegria profunda. Grandes amigos têm falado de você. Grandes mesmo: principalmente…

Vicente Franz Cecim

Numa entrevista com Cacá Carvalho, que me deixou fascinado, com uma vontade de chorar e de gritar diante de tanta sabedoria, ouvi a palavra “Andara”: a Amazônia mágica de Vicente Cecim, romancista amazônico, que conheci graças ao escritor Edilson Pantoja. Abaixo, posto considerações interessantes que encontrei sobre a vida de Cecim: Vicente Franz Cecim nasceu…

Primeiras notícias: “Os olhos do menino-saathan”

Há uma espécie de pausa previsível quando começamos a escrever um poema muito grande. Faz um mês que não escrevo uma linha para “Os olhos do menino-saathan”: o meu poema-confissão. Vou chegar a 50 páginas. Só me preocupo porque há cinco anos deixei inacabado o poema “Carne Hostil”: o meu poema confissão-social. Nunca mais voltei…

Esboço: Memorial do cais

Andarilho I. No cais: Adalgiza. Cabelos negros: anseios ávidos das margens dos rios: manto azul claro estendido ao vento. Nos olhos os olhos do amado: Emanuel: toda manhã é alumiação que vem tarde. Andarilho II. Os passos contados sobre o porto, o trapiche. O corpo firme. As mãos e o manto e o vento. Mãe:…

O Programa Arteletra Literatura

por Rudinei Borges Nos fins de março participei do Programa Arteletra Literatura da TV São Judas, que integra o Canal Universitário [CNU 11]. Foi um momento bonito, porque encontrei na Universidade São Judas o carinho de quem gosta de poesia, livros novos, arte e movimento. Também encontrei o poeta Felipe Stefeni, grande alma de Santos,…

Bilhete para Juliana Galdino

Desabafo da atriz Juliana Galdino da Cia. Club Noir [São Paulo, SP] – Postado no Facebook Ganhamos o Fomento há 4 anos atrás. Com o dinheiro reformamos um galpão na rua Augusta e montamos o Club Noir -que só ficou tão bonito porque GANHAMOS o projeto arquitetônico. Também, montamos uma peça, O QUARTO, de Harold…

Não a Belo Monte

No site da ABA há informações importantes sobre o projeto da hidrelétrica Belo Monte. A hidrelétrica será construída no município de Altamira, interior do Pará, perto da cidade onde nasci. . .

A canção de amor de J. Alfred Prufrock

[T.S. Eliot] Sigamos então, tu e eu, Enquanto o poente no céu se estende Como um paciente anestesiado sobre a mesa; Sigamos por certas ruas quase ermas, Através dos sussurrantes refúgios De noites indormidas em hotéis baratos, Ao lado de botequins onde a serragem Às conchas das ostras se entrelaça: Ruas que se alongam como…

Rosalva Borges

[Rosalva Borges nasceu em Ananás no Tocantins. Migrou jovem para o interior do Pará, onde criou quatro filhos]

Andrea del Fuego nos meus olhos

Andrea del Fuego: onde vou o fogo insiste: numa orelha de livro: del Fuego: num livro de entrevistas: del Fuego: outro dia numa livraria vesga: del Fuego: Os Malaquias num romance na Rua Augusta: à porta do cinema: Os Malaquias: Os Buendía: Os Borges: faltava dinheiro: não comprei Os Malaquias: li os pedaços: os olhos…

Notas sobre o racismo

Por Rudinei Borges Deve haver algum lugar onde o mais forte não consegue escravizar quem não tem chance. (Renato Russo – Fábrica) O racismo é sobretudo um erro. O próprio termo racismo advém de uma suposição absurda: a existência de raças superiores e inferiores. Também a palavra raça é problemática quando aplicada ao ser humano:…

A hora tempestiva

[poemas em construção – rudinei borges] XXI Jhon. Meu caro, Jhon Mc A’ teer. Meu irmão. Meu pai. Meu amigo. Todos os dias morre um demônio no corpo do cálice, no cisto da tábua. Jhon. Meu caro, Jhon Mc A’ teer. Meu irmão. Meu pai. Meu amigo.  As ruas de minha aldeia são rastros daninhos….

Cinema & Debate

Participe do Projeto Cinema & Debate. Assista ao filme e depois debata com especialistas.  O evento contará com a participação de convidados especialistas na área de cinema. O tema desse primeiro módulo será “Cinema e Revolução”, com a exibição do filme “A Queda da Bastilha” (1935), que contará com a presença  do Prof. Dr. Hermogenes…

Novos Livros On Line – Portugal

    Entrevista publicada no site Novos Livros de Portugal   Novos Livros:  O que representa, no contexto de sua obra, o livro “Chão de terra batida”? . Rudinei – O livro “Chão de terra batida” [All Print Editora], publicado no Brasil em 2009, é uma espécie de livro-princípio, livro-batismo: quando as palavras tecidas estão grafadas…

Poemas de Walt Whitman

. O Próprio Ser Eu Canto O próprio ser eu canto: Canto a pessoa em si, em separado _ embora use a palavra Democracia e a expressão Massa. Eu canto o Corpo Da cabeça aos pés: Nem só o cérebro Nem só a fisionomia Tem valor para a Musa _ digo que a forma completa…

Poemas de Allen Ginsberg

Irwin Allen Ginsberg nasceu no dia três de Junho de 1926 em Newwark (Nova Jersey) e morreu no dia 5 de Abril de 1997 em Nova Iorque. Foi o grande rebelde romântico e poeta anarquista contemporâneo que ficou conhecido pelas loucuras com os seus companheiros Jack Kerouac e William Burroughs. Promoveu uma revolução na linguagem…

Encontro com Voznesensky

[por Rudinei Borges] Gostei de você,                          Voznesensky.                                                 Gostei mesmo. Apesar de não saber de você. Nem de sua poesia.                                Só o seu nome,                                                         Voznesensky. Mas juro que gostei de você. Por isso, coloquei a sua foto na parede do quarto. Junto aos meus santos e poetas. Agora você,                     Voznesensky,                                           …

O verso livre

O verso livre forjado por Whiltman exibe, no acervo da poesia moderna, uma influência tão considerável como a que foi deflagrada pelos princípios estéticos defendidos por Edgar Allan Poe.

Por que os poetas são neuróticos

Encontrei hoje uma lauda com anotações sobre um artigo do poeta Nelson Ascher, publicado no Jornal Folha de São Paulo, que é bastante considerável sobre a poesia e os poetas no Brasil. Vejamos: . No Brasil os poetas são tidos como truculentos, em especial quando se trata das relações [negativamente] passionais que uns mantêm com…

Problema da poesia

Como conseguir, por meio da prática textual, uma voz inconfundível e inovadora?

Adrienne Rich

Sob minhas pálpebras outro olho se abriu e olha cruamente a  luz que penetra vinda do mundo da dor mesmo enquanto durmo [Adrienne Rich]

Poetas norte-americanos

No livro “Quingumbo”, Kerry Shawn Keys reúne poemas de grandes poetas norte-americanos do século XX. O livro foi traduzido para o português em 1980. Conta com uma interessante apresentação de Lêdo Ivo. Trata-se de uma antologia dos maiores poetas da América do Norte a partir de 1950. Os poetas em evidência são: [1] Robert Lowell [2]…

Essencial de Lawrence Ferlinghetti

Quem é Lawrence Ferlinghetti Lawrence Ferlinghetti nasceu em Yonkers, Nova York, em 1919. Seu pai, o italiano Carlo Ferlinghetti, morreu antes de ele nascer, e sua mãe foi internada por problemas nervosos quando ele era muito pequeno. Ferlinghetti foi criado por uma tia materna e passou os cinco primeiros anos de vida na França. Após…

O natal

O natal. Sempre o natal. A teimosia das lâmpadas. A barba branca do papai noel. A árvore.  Os laços vermelhos dos presentes. As lojas cheias. O presépio. Anjos. Pastores. A manjedoura. O menino Jesus miudinho. Tudo é estranho no natal. Ando com uma mistura de saudade e raiva. O riso estampado no rosto das pessoas…

Renato Russo

Renato Russo é considerado um dos mais importantes compositores do rock brasileiro.Sua primeira banda foi o Aborto Elétrico (1978), a qual durou quatro anos, e terminou devido às constantes brigas que havia entre ele e o baterista Fê Lemos.Renato herdou desta banda uma forte influência punk que influenciou toda a sua carreira. Nessa mesma época,…

Dorothy Stang

Dorothy Stang foi morta em fevereiro de 2005, aos 73 anos, alvo de seis tiros, em uma estrada de terra perto de Anapu [750 km de Belém, Pará], por denunciar a grilagem e o desmatamento ilegal. Cinco pessoas foram condenadas pelo crime. § Após 15 horas de julgamento no fórum de Belém (PA), o fazendeiro…

José e Pilar: as miudezas do cotidiano

Por Rudinei Borges Como confessou certa vez uma crítica de teatro, também não faço anotações sobre qualquer filme quando vou ao cinema. Sou guardador de lembranças. Escrevo sobre o que fica: a parte que fez morada em mim do filme ou do livro ou do espetáculo. Agora, neste instante último, recordo-me com algum afinco a…

+ Poemas de Rudinei Borges por Meiriane Barbosa

Alguém que assina Me, penas Me, tem postado poemas meus no blog Me[ias verdades]. Trata-se de Meiriane Barbosa. O encontro de pequenos poemas com as imagens escolhidas por Meiriane tem resultado em construções interessantes. Creio que a imagem é uma grande aliada para aproximar o poema dos leitores. Interessado no que Me faz, posto alguns…

Os blogs e a internet

por Rudinei Borges I O blog no labirinto Explicar a internet é enfrentar, em algum momento, o sentido do termo compexidade: aquilo que abrange ou encerra muitos elementos ou partes. A internet, o conjunto de redes de computadores ligadas entre si, é composta por páginas diversas: portais, sites e blogs. Trata-se de uma floresta emanharada, para lembrar…

Rimbaud e as horas

Eles não sabem, mas eu vi Rimbaud numa praça atrás da Biblioteca Mario de Andrade, no Centro de São Paulo. Era mais de meia noite. Fumamos cigarro. Bebemos pinga ruim. Depois fomos para a Avenida Rio Branco.

Maïakovski

Aos que crêem na vida e sobretudo têm esperança: uma homenagem ao poeta russo, Maïakovski. .

O barco

[por Regiane Borges. Dezembro 2009. Rio Tapajós, Pará] . [Dezembro. Criação de Rudinei Borges, 2010]

O retrato do silêncio

[O homem solitário] . [Colagem] . [Barco às margens do Rio Tapajós. Por Regiane Borges. Tratamento por Rudinei Borges 2009] . [Respingos] . [T. S. Eliot, meu mestre] .  [Vermelho ofuscado. Retrato de Rudinei Borges. Por Thaty Pinheiro 2008] . [Máquina 37] . [A chuva vai derrubar todo mundo 1. Referência ao livro de contos…

A rua sétima: 2 anos

A minha descoberta de hoje é que A RUA SÉTIMA já existe há dois anos. O primeiro post foi publicado em novembro de 2008. A página passou por vários formulações e mudou de rosto  algumas vezes. Agora, ganhamos roupagem nova. Afinal, conseguimos manter um trabalho frequente de publicação de artigos, poemas, fotografias e informações sobre arte…

A poesia é um estado de transe

Por Rudinei Borges  A poesia é um estado de transe, livro de Vera Lúcia de Oliveira, lançado pela Portal editora, concerne num ritual, quase abrupto, de luto – agonia pela perda. O título despista o leitor, mas já nas primeiras linhas o chamariz da palavra transe, termo tão em voga,  é ofuscado por versos como:…

Miséria da poesia

por Rudinei Borges   “Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira”. (Manoel de Barros) Recebo poemas pela internet. Alguns surgem do nada no meu e-mail. Poetas desconhecidos. Poemas desconhecidos. Solicitam que sejam lidos. Amados. Compreendidos. Querem um lugar à luz. Afinal o poema não resiste sozinho com o…

Rés-do-chão

“O bicho, meu Deus, era um homem”. (Manuel Bandeira) Aquele homem viverá – ali – sem rima. A morte será a sua poesia daninha, feito coisa que não serve para mais nada. Viverá sem estrofes e metáforas rarefeitas à esquina da Rua Cipriano Barata com a Travessa Brigadeiro Jordão. Com cachaça e pão seco andará…

O poema, segundo Adonis

[1] O poema sempre tem de ser mais uma trama do que um único fio de pensamento. [2] Felicidade e tristeza são duas gotas de orvalho caindo sobre a sua cabeça. [Adonis – poeta da Síria]

A chuva vai derrubar todo mundo

Enfim, um blog com meus contos. “A chuva vai derrubar todo mundo” é o esboço de um livro de narrativas curtas. A ideia nasceu num ônibus lotado no Terminal Sacomã, um dos mais populares de São Paulo, no primeiro semestre de 2010. Um aguaceiro tomava conta da cidade. Uma menina, então, soltou a terrível frase:…

Vencedores do Prêmio Bravo 2010

Melhor Exposição Faustus, José Rufino Melhor Espetáculo de Teatro Vida, Companhia Brasileira de Teatro Melhor Livro Esquimó, Fabrício Corsaletti Melhor Espetáculo de Dança Sapatos Brancos, Núcleo Artístico Luis Ferron Melhor Filme Nacional Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo, Karim Aïnouz e Marcelo Gomes Melhor CD Erudito Obras Completas para Violão Solo – Heitor Villa-Lobos,…

A indiscutível força da poesia

Por Rudinei Borges  No dia 4 de novembro a Biblioteca Central do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo realizou o I Concurso de Poesia. O evento recebeu poemas de vários alunos da escola. Foram selecionados para a noite de apresentação os trabalhos de Raony Braga, Gustavo Scatigna, Mariana Trevisan, Paulo de Oliveira, Andréa Caldeira, Marina…

+ Adélia Prado

Depois de encontrar Adélia Prado no primeiro semestre de 2010. [1] A vida é tempo mais alegre do que triste. [2] Melhor é ser. [3] Não é para entender que nós pensamos, é para sermos perdoados. § Tudo o que invento já foi feito nos dois livros que eu li: as escrituras de Deus, as…

Mano e Sansão

. O meu instinto trai os meus princípios. . Levaram a lama. Deixaram o corpo. . Mano não é nome. É acaso errôneo do conhecimento. . Isto dos Santos é o meu nome. Mas não sou eu.

Mãe preta

[Incrição numa estátua do Largo Paissandu em São Paulo] Na escravidão do amor a criar filhos alheios rasgou qual pelicano as maternais entranhas e deu à pátria livre em holocausto os seios [Ciro Costa]

Outubro armado: autopsia

[por Rudinei Borges e Marcus G. Rosa] I Sessenta e quatro verrugas Um sinal sobre a sombrancelha Uma cicatriz sob o lábio inferior uma mancha na batata da perna As unhas dos pés pintadas de roxo Os olhos azuis reluzindo enxames de marimbondos Os cabelos negros arranhando as paredes da casa II Sessenta e quatro…

Escrito na esquina

Texto escrito na parede de uma casa antiga e abandonada na esquina da Rua Agostinho Gomes com a Rua Sargento Mor Ramos Cordeiro, n. 3531, Ipiranga, São Paulo Capital – próximo ao Terminal Sacomã. § Gostem ou não, está tudo aí, todas as formas, transparências, aviãozinho de papel, radicais e liberais, punks e panquecas, neo-expressionistíssimos,…

Gog e Magog

[por Rudinei Borges] Você sabe? Os dias no inverno duram mais. Preciso confessar. Os beliches estão cheios de colchões rasgados. Os pregos atravessam as paredes com algum mau humor. As espumas espalhadas silenciam os travesseiros. As roupas permanecem empoeiradas. Não há nada a fazer… É verdade. O homem que lê poesia deitado na cama adoeceu ontem…

O best-seller não ensina nada

Um jovem corajoso hoje é um jovem que abre Sagarana, Grande Sertão: veredas, Dom Quixote ou Luz de Agosto, do Faulkner. O best-seller não nos ensina nada. São meios de entretenimento. [Milton Hatoum – escritor]

O paradoxo da cultura

A cultura, ao contrário do que pensam as patrulhas analfabetas, não existe para respeitar as nossas certezas ou crenças; a cultura existe para as testar, provocar, até insultar – um ringue onde a liberdade de expressão é o único oxigênio permitido. [João Pereira Coutinho – Sobre o julgamento de Geert Wilders]

Coluna Crítica

Ando para cima e para baixo com dois livros de poemas que recebi pelo correio esta semana. Trata-se de “O homem inacabado” de Donizete Galvão e “A poesia é uma estado de transe” de Vera Lúcia de Oliveira. O presente foi enviado por Reynaldo Damazio da Editora Portal Literatura. Logo irei resenhar os dois livros…

Mesa do Autor

. Nesta quarta-feira, dia 20 de outubro, às 19h, participarei da Mesa do Autor: uma animada conversa sobre literatura com Andrea del Fuego, Lunna Guedes e Rodrigo Capella. A Mesa do Autor acontece na Biblioteca Amoroso Lima em São Paulo Capital [Rua Henrique Schaumann, 77]. A entrada é franca. Até lá. .

Tenho medo

Tenho medo: 1. Da polícia brasileira. 2. Da maioria dos políticos. 3. De parte da imprensa. 4. Dos partidaristas sectários. 5. Dos homofóbicos. 6. Dos racistas. 7. Dos livros de auto-ajuda. 8. Das ideologias das novelas de TV. 9. Dos males do crack. 10. Da pobreza.